Estado de Rondônia é estratégico para acordos comerciais do Peru

Cônsul geral Félix Germán Vásquez Solis junto com o Presidente da Fecomércio  Raniery Araujo Coelho
Cônsul geral Félix Germán Vásquez Solis junto com o Presidente da Fecomércio Raniery Araujo Coelho

Com localização privilegiada no Norte, interligando por estradas e hidrovias vários outros Estados, “Rondônia é estratégico para a consolidação do intercâmbio comercial entre Brasil e Peru”. A declaração foi feita pelo cônsul geral Félix Germán Vásquez Solis, que esteve na manhã desta segunda-feira (25/05) reunido com o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado, Raniery Araujo Coelho.

O presidente do Sistema Fecomércio/RO, explicou ao cônsul peruano que a Federação tem mantido foco em projetos voltados à fomentação da economia rondoniense através da consolidação do comércio bilateral, tanto com o Peru quanto a Bolívia. Raniery Coelho citou o alfandegamento do aeroporto Jorge Teixeira, que a partir da sua certificação poderá receber vôos internacionais que estimulará a ida de turistas para os países vizinhos quanto à vinda de turistas de lá para cá. “Visando isso, estamos criando o Conselho de Turismo Empresarial que vai desenvolver projetos justamente com esse objetivo”, afirmou.

Raniery Coelho também expressou sua preocupação com alguns problemas relacionados à expedição de documentos para liberação de trânsito de veículos de passeio e cargas pela “estrada do Pacífico”, especialmente por empresas que querem estimular o turismo naquela região.

MAIS CELERIDADE

O cônsul, que está no Estado para o lançamento do evento Rondônia Rural Show, que acontece na próxima quarta-feira (27/05) em Ji-Paraná, disse que o Governo do Peru está empenhado em ampliar a relação comercial com o Estado, fomentando a exportação e importação através da estrada para o Pacífico.

Sobre a questão o cônsul peruano informou que alguns problemas detectados hoje com relação ao trânsito de veículos (turismo) e transporte (cargas), se devem ao fato do Congresso Nacional brasileiro ainda não ter aprovado os termos do acordo presidencial assinado em 2009 entre Luís Inácio Lula da Silva e Alan Garcia.

“Como está sendo um processo demorado politicamente, estamos estudando uma condição administrativa. Sabendo disso, a própria Receita Federal do Brasil editou recentemente algumas normas para facilitar o trânsito no Brasil de mercadorias de origem peruana. Agora estamos analisando se essas regras podem ser estendidas ao âmbito do Mercosul. Caso sim, vamos colocar normas facilitadoras através do Ministério de Transporte do Peru e assim desburocratizar ainda mais o intercâmbio comercial”, informou, otimista quanto as ações da Fecomércio/RO.

 

 

Assessoria