Mulher sofre corte profundo no pescoço por causa de linha de pipa com cerol em Vilhena - Folha de Vilhena
<

Mulher sofre corte profundo no pescoço por causa de linha de pipa com cerol em Vilhena

Folha de Vilhena maio 16, 2017 0


Mulher conseguiu ir para o hospital, mas encontra-se em estado grave

Um acidente causado por linha de pipa com cerol foi registrado no final da tarde desta segunda-feira (15) próximo à ASMUV, no Bairro Bela Vista, em Vilhena.

A mulher de 28 anos relatou que estava retornando para casa, quando acabou sofrendo um corte profundo no pescoço, causado por linha de pipa com cerol, que estava sendo soltada por crianças naquela região.

Apresentando intenso sangramento, a mulher chegou a solicitar a presença do Corpo de Bombeiros, só que acabou indo sozinha de moto para o pronto socorro do Hospital Regional. Ela conteve o sangramento com a mão esquerda.

Após chegar ao Hospital, a vítima foi submetida a uma cirurgia por causa do corte na veia jugular, no entanto, o corte havia sido pequeno. A equipe médica conseguiu estancar o sangramento e realizaram uma cirurgia para reparação da veia. Mas, o estado da jovem ainda é considerado grave.

Segundo a vítima, vários jovens, entre maiores e menores de idade participavam da brincadeira com pipas em via pública no momento do acidente e após o ocorrido, saíram do local.

A vítima recebeu duas bolsas de sangue e seguirá internada até se recuperar do acidente.

O Perigo do Cerol

O Cerol é uma mistura de cola com caco de vidro moído que posteriormente são aplicadas às linhas de pipas com a finalidade de cortar a linha de outras pipas adversárias em uma batalha para ver quem pode mais. O saldo dessa irresponsabilidade é que ao final dessas brincadeiras ficam pelas ruas pedaços de linhas que são praticamente invisíveis aos olhos de quem trafega conduzindo veículos ciclomotores, ou até mesmo no momento em que os inconsequentes estão realizando a brincadeira. E quando esses condutores inadvertidamente se chocam com a linha de pipa contendo cerol, acabam atingidos principalmente nas mãos, braços, tronco, pescoço e rosto.

As linhas com cerol possuem uma enorme capacidade de corte e provocam ferimentos profundos que são potencialmente mortais quando atingem a região do pescoço, e quando não mata, deixam sequelas terríveis em suas vítimas.

O cerol em linhas de pipas é utilizado praticamente no ano todo, mas é na época das férias escolares que as ocorrências dos acidentes são mais comuns. A linha de pipa com cerol é só mais um dos problemas enfrentados por pessoas que usam motocicletas para o trabalho ou lazer. Essa atividade criminosa considerada brincadeira de criança, também é a diversão de muitos adultos irresponsáveis.

Como se proteger?

Alguns aparatos foram desenvolvidos para evitar acidentes envolvendo linhas com cerol como, por exemplo, as antenas aparadoras de linhas de pipas e protetor de pescoço.

Apesar das várias campanhas alertando para o perigo dessa “brincadeira”, pouco tem surtido efeito, pois o cerol ainda continua sendo utilizado indiscriminadamente e fazendo suas vítimas por todo o país. É necessário que os pais tomem as rédeas dessa situação e promovam uma conscientização sobre essa prática, educando seus filhos sobre as consequências do uso do cerol.

Se ocorrer um acidente causando a morte da vítima, a pessoa que contribuiu para o acidente poderá ir para a cadeia se for identificada. Outras penalidades são previstas para quem coloca a vida de terceiros em risco, portanto, mesmo que não ocorra alguma morte, há mecanismos de punição para os pais e os adolescentes envolvidos nos acidentes.

Empinar pipa é uma diversão para jovens e crianças, mas essa brincadeira é considerada uma arma perigosa que pode mudar a vida de outras pessoas para sempre ou até mesmo matá-las e faz-se necessário que os pais proíbam seus filhos de realizarem essa brincadeira mortal, uma vez que, se seus filhos causarem a morte ou lesão corporal grave em terceiros, os pais e os próprios filhos serão responsabilizados criminalmente por tal ato.

Autor: Carlos Mont Serrate
Fonte: Folha de Vilhena

Comente

comentários


Deixe uma resposta »