Em Vilhena, comunidade pede suspensão de ensino integral em escola - Folha de Vilhena

Em Vilhena, comunidade pede suspensão de ensino integral em escola

Abel Labajos janeiro 10, 2017 1

(Foto: Eliete Marques/ G1)

Pais, alunos e professores de duas escolas estaduais de Vilhena (RO), a 700 quilômetros de Porto Velho, procuraram o Ministério Público de Rondônia (MP-R) nesta segunda-feira (9) para pedir a suspensão da implantação do ensino médio integral nas instituições. Segundo eles, as unidades não têm estrutura para receber o novo método de ensino. A mudança está prevista para acontecer em março deste ano.

Representantes das escolas Álvares de Azevedo e Shirlei Ceruti protestaram na frente do MP-RO contra a nova medida. Segundo eles, não houve diálogo com a comunidade escolar. “Temos várias dúvidas. A única certeza é que o ensino integral foi implantado e que as rematrículas que começam hoje já são para este ensino. Nossa escola não tem estrutura que se pede na portaria”, explica o estudante Pablo Vinicius Andrade.

A mãe de uma aluna da Escola Shirlei Ceruti, Solismar Aparecida Pretto, diz que os pais não foram chamados para discutir o novo projeto, e que os estudantes que não aderirem, terão que ser matriculados em escolas que ficam longe de casa.

O pai de outro estudante, Eliseu Pereira, reitera que é contra a nova medida. “Nós pais ficamos sabendo na última semana de dezembro. Ninguém foi consultado. E se ficar integral, muitos alunos ficarão sem vaga”, enfatiza.

A comunidade escolar foi recebida no MP-RO pela promotora Yara Travalon Viscardi.  Depois de ouvir os argumentos de pais, alunos e professores, a promotora pediu um prazo para confirmar o que pode ser feito.

“Vou entrar em contato com a Seduc [Secretaria de Estado da Educação], analisar as portarias do MEC [Ministério da Educação] que tratam dessa questão,  e depois disso, vou ter um posicionamento. Espero que cheguemos em um consenso”, enfatiza.

Segundo a Coordenação Regional de Educação (CRE), em Vilhena, a transição para o ensino médio integral está confirmada apenas na escola Álvares de Azevedo.

A implantação na Escola Shirlei Cerutti ainda está sendo analisada.  A coordenação ainda informou que o programa de implantação viabiliza todas as adequações necessárias nas instituições, e que os alunos que não quiserem ingressar no ensino médio integral serão remanejados para outras escolas.

 

Fonte: G1

Comente

comentários

Um comentário »

  1. Adegildo Moreira lima janeiro 11, 2017 at 2:30 pm - Reply

    Na realidade, como em tudo no Brasil o interesse particular supera o interesse público, por isto a educação pública é e continuará uma porcaria. Os números dá classificação nacional de Rondônia neste quesito confirmam.quem sabe daqui uns 20 anos teremos alguma mudança para melhor

Deixe uma resposta »